E-mail Facebook Twitter

Projeto Hospitais Saudáveis

Desafio Compras Sustentáveis



Projeto Hospitais Saudáveis

 
O Projeto Compras Sustentáveis na Saúde (Sustainable Health in Procurement Project - SHiPP, na sigla em inglês) é uma iniciativa desenvolvida pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em colaboração com a Health Without Harm (HCWH) e financiada pela Agência Sueca para o Desenvolvimento Internacional, cujo objetivo é reduzir os danos às pessoas e ao meio ambiente causados pela fabricação, uso e descarte de produtos usados na assistência à saúde e na implementação de programas de saúde. O PHS como gestor do Projeto no Brasil está lançando uma nova campanha integrada à Agenda Global Hospitais Verdes e Saudáveis (AGHVS), denominada “Desafio Compras Sustentáveis”.
 
Desafio Compras Sustentáveis, visa mobilizar organizações de saúde a adotarem políticas de suprimentos alinhadas com a defesa da saúde pública ambiental, tendo como o principal objetivo proporcionar o aumento na demanda por produtos sustentáveis e a redução no uso de substâncias químicas perigosas e consumo de produtos prejudiciais ao meio ambiente e à saúde humana, além de indentificar as ações de compras sustentaveis que ´ja vem sido praticadas pelo setor saúde. 
 
As compras sustentáveis ​​podem gerar impactos positivos na saúde dos pacientes, comunidades e meio ambiente. A influência dos processos de compras no impacto ambiental do setor de saúde é amplamente reconhecida, enquanto as práticas de compras sustentáveis ​​têm a capacidade de gerar uma  redução significativa nas emissões de gases de efeito estufa no setor de saúde global. Os serviços de saúde podem afetar negativamente a saúde das pessoas e do meio ambiente das seguintes formas:
  • Hospitais e sistemas de saúde compram uma ampla variedade de produtos, desde produtos químicos, eletrônicos e plásticos, até energia, produtos farmacêuticos e alimentos.
  • O setor da saúde gasta enormes quantias dos recursos financeiros na compra de bens, aquisição de serviços de saúde resulta em um impacto ambiental significativo e também pode ter impactos significativos sobre os direitos humanos.
  • Pacientes, profissionais de saúde e comunidades em todo o mundo estão expostos a riscos ambientais e de saúde através de exposição direta a agentes biológicos ou químicos, ou riscos à saúde má gestão ou incineração de resíduos.
  • A produção de produtos para uso médico pode ter impacto na saúde e bem-estar. Por exemplo, há uma crescente preocupação com os restos de produtos farmacêuticos que se acumulam no meio ambiente, principalmente em rios e lagos em todo o mundo.
  • O setor da saúde como um todo está contribuindo para as mudanças climáticas globais, afetando a saúde do planeta, através de suas emissões de gases de efeito estufa.
Muitas vezes, sem saber, os hospitais podem comprar itens que são tóxicos para os funcionários ou pacientes, ou que têm um impacto sério no meio ambiente. O sistema de compras que prioriza o ambiente identifica esses problemas e os evita, desde a eliminação de material de embalagem desnecessário até a busca de alternativas para produtos que contenham mercúrio ou outras substâncias tóxicas, a decisão de compra pode ter um efeito fundamental na oferta de saúde sem danos.
 
Ao adotar políticas, estratégias e práticas de compras sustentáveis, o sistema de saúde, governos e agências internacionais podem ser os impulsionadores de uma mudança significativa em direção a economia ecologicamente sustentáveis ​​e inclusivas, além de avançar para estratégias de baixa emissão de carbono e resiliência no setor de saúde. Isso requer produtos e serviços que atendam aos critérios ambientais, de saúde e sociais em todo o seu ciclo de vida.
 
Em geral, os produtos que priorizam o ambiente:
  • São menos tóxicos;
  • São menos poluidores;
  • Fazem uso mais eficiente de energia;
  • São mais seguros e saudáveis ​​para pacientes, funcionários e meio ambiente;
  • Contém menos material na embalagem;
A influência dos processos de compra no impacto ambiental do setor da saúde é amplamente reconhecida, as práticas de compras sustentáveis ​​têm a capacidade de gerar uma redução significativa das emissões de gases de efeito estufa no setor de saúde global. As emissões relacionadas com a cadeia de suprimentos representam pelo menos 65% das emissões de carbono do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra (NHS) e 82% das emissões de carbono do Fundo Global para HIV - projetos relacionados / SIDA e tuberculose no Tajiquistão administrado pelo PNUD.
 
Nas duas últimas décadas, o PHS em parceria com a organização Saúde sem Dano, a Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis, a Practice Greenhealth e outras partes interessadas utilizaram essa abordagem com sucesso para reduzir significativamente o impacto ambiental do setor de saúde nas comunidades e no meio ambiente no Brasil, América Latina, Estados Unidos, Europa e Ásia. Inicialmente, através de campanhas para eliminar a incineração de resíduos e substituição de equipamento médicos hospitalares contendo mercúrio (termômetros e esfigmomanômetro). Desde o final de 2011, através da Agenda Global e da Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis, uma comunidade global de hospitais, sistemas de saúde e organizações profissionais e acadêmicas que buscam reduzir sua pegada ecológica e promover a saúde pública ambiental.
 
Essas iniciativas, embora possam demonstrar boa relação custo-benefício, ainda estão longe de serem institucionalizadas na maioria dos países em desenvolvimento. As comunidades e o meio ambiente nos países em desenvolvimento continuam a ser afetados negativamente pelas atividades da cadeia de fornecimento do setor de saúde que emitem gases de efeito estufa, esgotam os recursos naturais e aumentam a contaminação química.
 
Os estabelecimentos de saúde podem melhorar suas iniciativas de compra de produtos que produzem menos impacto ambiental (ecologicamente responsável), definindo objetivos específicos. Os responsáveis ​​pela aquisição / fornecimento de materiais podem trabalhar com fornecedores, distribuidores, fabricantes e entidades com compras centralizadas de suprimentos hospitalares, solicitando produtos mais sustentáveis e menos prejudiciais para as pessoas.
 
 
O projeto Compras Sustentáveis ​​na Saúde - SHiPP tem como objetivo reduzir os danos às pessoas e ao meio ambiente causados ​​pela fabricação, uso e descarte de produtos, serviços e tecnologias empregados ​​na assistência e na implementação de programas de saúde.
SHiPP é um projeto de quatro anos destinado a promover compras sustentáveis ​​no setor da saúde, em agências das Nações Unidas e em países-chave do projeto, através da redução da toxicidade de substâncias químicas e materiais usados ​​em produtos para a saúde, a redução de emissão de gases de efeito estufa na cadeia de suprimentos e a conservação dos recursos naturais. A implementação do programa começou em janeiro de 2018.
 
O projeto está sendo implementado em dois grupos de países:
 
O primeiro é composto de países de renda baixa, Moldávia, Ucrânia, Tanzânia, Vietnã e Zâmbia, onde as agências das Nações Unidas têm uma presença significativa na assistência à saúde e em projetos sociais e visa tornar as operações da ONU mais sustentáveis nessas regiões.
 
Um segundo grupo, composto por países de renda média incluindo Brasil, Índia, China, África do Sul, entre outros países da América Latina e Sudeste Asiático, visa desenvolver e testar um conjunto de práticas e políticas sustentáveis ​​para compras do setor de saúde em consonância com a iniciativa Compras Sustentáveis ​​no Setor da Saúde (SPHS). Esses países têm grande potencial de induzir a transformação dos mercados em suas regiões.
 
Considerando que as práticas de compras sustentáveis estão em processo de rápido desenvolvimentos em países da União Europeia e América do Norte, entre outros de alta renda, as iniciativas do SHiPP almejam, de forma articulada, obter significativa redução do impacto ambiental do setor de saúde e transformar as cadeias produtivas em âmbito mundial.
 
 
Desenvolver critérios e normas universalmente aplicáveis e sustentáveis para a fabricação, distribuição e descarte de produtos adquiridos pelo setor de saúde.
  1. Reforçar a capacidade para a implementação de práticas de compras sustentáveis no setor de saúde nos países prioritários do projeto.
  2. Fortalecer a capacidade de produção sustentável, fornecimento e descarte de produtos de saúde em pelo menos dez países do projeto
  3. Fortalecer o treinamento e a implementação de sistemas de monitoramento e avaliação que ajudem a promover a responsabilidade e a transparência nas compras sustentáveis no setor de saúde.
Para alcançar estes objetivos, experiências similares na Europa, Estados Unidos e outros países onde o projeto é implementado são tomadas como referência, onde os membros da Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis já têm experiência na implementação de critérios de compras sustentáveis é um dos 10 objetivos da Agenda Global para Hospitais Verdes e Saudáveis. Em última análise, seu principal objetivo é aumentar a demanda por produtos sustentáveis e mover a cadeia de fornecimento global para uma maior sustentabilidade ambiental, o que melhorará o acesso e os indicadores de saúde globalmente.
 
  • Associação: Todos os hospitais pilotos que participam do projeto SHiPP são membros atuais ou receberão associação automática na Rede Global.
  • Estudos de caso: Os hospitais-piloto documentam seu trabalho e progresso em aquisições sustentáveis através de estudos de caso, que na América Latina farão parte do relatório Hospitais que Curem o Planeta.
  • Seminários via web: o projeto oferece seminários via web para treinar sobre compras sustentáveis no setor de saúde e mostrar histórias de sucesso.
  • Recursos: como parte do projeto, especialistas internacionais criarão documentos de orientação e recursos para treinar e apoiar o trabalho dos sistemas de saúde na implementação de práticas sustentáveis de aquisição.
  • Workshops presenciais: nos países e regiões priorizados no projeto, serão realizados workshops regionais para promover o treinamento e o fortalecimento das áreas de compras e sustentabilidade das instalações e sistemas de saúde
 
O projeto começou a ser implementado no Brasil em janeiro de 2019. Durante este primeiro ano, ele foi dedicado principalmente a divulgação por meio de Workshop,  explorar e estabelecer uma linha de base a partir da qual se poderá crescer a partir do ano seguinte. Será um ano de desenvolvimento, durante o qual trabalharemos em
  • Mapear as políticas e práticas em diferentes regiões para saber até que ponto os critérios de sustentabilidade são incorporados nas compras e onde as medidas ambientais são tomadas para reduzir os riscos ocupacionais.
  • Investigar o mercado nos países prioritários para identificar o volume e os gastos com produtos de saúde, assim como a disponibilidade e as lacunas nos produtos que são considerados as alternativas mais sustentáveis e saudáveis do meio ambiente disponíveis.
Também promoveremos a adoção de compromissos formais nos países priorizados e nos sistemas de saúde e hospitais que são membros  do Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) e da Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis para trabalhar no projeto e demonstrar que é possível implementação dos critérios de compras sustentáveis no Brasil, o que então servirá de exemplo para ampliar os resultados do projeto.
 
 

 

NOSSOS PROJETOS

Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis

Seminário Hospitais Saudáveis - SHS é o principal evento promovido pelo Projeto Hospitais Saudáveis.

Desafio a Saúde pelo Clima

Desafio Resíduos de Serviço de Saúde

Campanha Compras Sustentáveis

Saúde Sem Mercúrio - O mercúrio é tema de campanha mundial.

PARCERIAS

O Projeto Hospitais Saudáveis é ponto focal no Brasil da organização internacional Saúde Sem Dano. Saiba mais

PARTICIPE DO PHS

Receba nossos boletins, notícias e divulgação de eventos.Torne-se membro do PHS ou cadastre-se para receber notícias e divulgação de eventos