E-mail Facebook Twitter

Projeto Hospitais Saudáveis

Cidades sem Máscara ("Unmask my City")



Ações da Campanha São Paulo Sem Máscara em 2017

  • Veja as ações da Campanha São Paulo Sem Máscara

A primeira etapa da Campanha São Paulo Sem Máscara, que durou até o final do ano de 2017, teve como principal objetivo sensibilizar o setor saúde e seus profissionais sobre a urgência 

Para nos auxiliar no engajamento com as instituições e profissionais do setor saúde, o Hospital Santa Marcelina, por meio da Atenção Primária à Saúde, a Sociedade para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), o Hospital Santa Catarina, a UBS Bom Retiro (IABAS) e o Hospital Albert Einstein , por meio de suas Unidades Básicas de Saúde (UBS) estão entre as instituições parceiras, a maioria delas atuando com base no Programa Ambientes Verdes e Saudáveis (PAVS) da Prefeitura de São Paulo.

Os parceiros Bike Anjo e Corrida Amiga nos auxiliaram na divulgação e especialmente na fase de lançamento da campanha com as imagens e ideias de como abordar a questão da mobilidade nas nossas solicitações às autoridades.

Emiliano Augusto Leutz Martins é coordenador do Bike Anjo em São Paulo Glaucia Miranda é voluntária na ONG Corrida Amiga

 

Saiba mais informações sobre as ações da Campanha São Paulo Sem Máscara:

 

  • Ações da Campanha São Paulo Sem Máscara

Desde maio de 2017, o PHS e seus parceiros têm desenvolvido uma série de ações para prosseguir com o objetivo da primeira etapa da nossa campanha: sensibilizar os profissionais do setor saúde para a problemática da poluição do ar e da mudança do clima.

  • Contato com médicos e profissionais do setor saúde

No lançamento da Campanha, no dia 02 de maio de 2017 – Dia da Asma, foram lançados vídeos, quote-cards e uma série de materiais de divulgação sobre a Campanha.

Em São Paulo, o PHS e a GCCA entrevistaram parte dos parceiros de campanha, desenvolvendo um vídeo sobre como a poluição do ar na cidade afeta direta e indiretamente a saúde da população.

No vídeo, Dr. Rafael Stelmach, Professor Livre Docente do Departamento de Cardio-Pneumologia da Faculdade de Medicina da USP, Assistente Dr. da Divisão de Pneumologia do InCor/Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e Embaixador e Coordenador da Iniciativa Global para Asma (GINA) no Brasil, fala sobre como doenças cardiorrespiratórias são também agravadas pela poluição do ar.

  • Vídeo de lançamento da Campanha São Paulo Sem Máscara

Além disso, coletamos depoimentos de profissionais de saúde que lidam diariamente com pacientes em Unidades Básicas de Saúde e na Atenção Primária à Saúde (APS), bem como profissionais do setor que lidam com a gestão ambiental das unidades de saúde de suas instituições.

 

Dra. Thais Mauad é formada em medicina pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), Professora do Departamento de Patologia da Universidade de São Paulo e trabalha no Departamento de Patologia da FMUSP onde tem como principal atividade o desenvolvimento de estudos sobre patologia pulmonar, com ênfase em asma e outras doenças pulmonares obstrutivas crônicas, agravadas pela poluição do ar. Veja alguns estudos da Dra. Thais aqui!

 

 

Dr. Marcelo Francisco Lopes tem graduação em medicina pela Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu e trabalha como pneumologista no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) Maria Zélia da SPDM.

 

 

Médico formado pela Universidade Federal da Paraíba, Dr. Martim Elviro Medeiros Junior já atuou como Médico Generalista da Estratégia Saúde da Família do município de São Paulo e hoje é Coordenador da Residência em Medicina de Família e Comunidade da Casa de Saúde Santa Marcelina em São Paulo.

 

Dr. Fernando Cosentino é médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e trabalha atualmente na Unidade Básica de Saúde do Bom Retiro, região central da cidade de São Paulo, onde atua como Médico de Saúde da Família pelo Programa Estratégia Saúde da Família.

/\ Voltar para o início da página

 

  • Monitoramento comunitário

Desde junho de 2017, parceiros da Campanha São Paulo Sem Máscara do setor saúde têm desenvolvido o monitoramento comunitário, uma forma de abrir espaços de diálogo sobre como os dados oficiais - divulgados por agências nacionais, estaduais ou locais de qualidade do ar - são coletados e exigir um melhor monitoramento oficial. Com frequência, os dispositivos de medição oficiais estão distantes das áreas mais poluídas e por isso não são indicativos do ar que as pessoas estão de fato respirando.

O AirBeam é um dispositivo de código aberto que mede material particulado fino (MP2,5), temperatura e umidade relativa do ar usando um método de dispersão de luz. Ele foi desenvolvido pela ONG Habitatmap e funciona sugando ar por meio de uma câmara de detecção onde a luz de uma lâmpada LED dispersa partículas no fluxo de ar. Esta dispersão de luz é registrada por um detector e convertida em uma medida que estima o número de partículas presentes no ar coletado.

Para realizar o monitoramento comunitário, as instituições parceiras utilizaram AirBeams disponibilizados pelo PHS, bem como um telefone celular com o sistema operacional Android, além do aplicativo AirCasting. O processo de monitoramento se inicia quando dispositivo AirBeam conecta-se, por meio de bluetooth, a telefones celulares. Ao começar uma sessão, o aplicativo torna possível a visualização da qualidade do ar (material particulado 2,5) e a localização via GPS.

Para tornar o monitoramento comunitário mais acessível e prático, as equipes do PHS e da GCCA desenvolveram um Manual para a utilização do AirBeam e do AirCasting, que está disponível à todos aqui. Neste documento é possível visualizar as sessões do aplicativo, assim como visualizar os mapas via GPS e a concentração de MP2,em cada localizada pesquisada!

Conheça o Manual de instruções do Monitoramento comunitário da qualidade do ar (em português) elaborado pelo PHS e pela GCCA Saiba mais informações sobre o AirBeam (em inglês) Saiba mais sobre o aplicativo AirCasting (em inglês)

/\ Voltar para o início da página

 

  • Painel de Debates: Poluição do ar e mudança do clima: ameaças e oportunidades para a saúde pública

No dia 11/10/2017, o PHS e as instiuições parceiras da Campanha São Paulo Sem Máscara realizaram o Painel “Poluição do ar e mudança do clima: ameaças e oportunidades para a saúde pública” no 10º Seminário Hospitais Saudáveis, com a participação de especialistas em monitoramento da qualidade do ar e emissões de gases de efeito estufa (Ademilson Zamboni – IEMA), doenças cardiorrespiratórias (Dr. Rafael Stelmach – Faculdade de Medicina da USP / Incor / GinaNoBrasil), estudiosos dos temas na academia (Profa. Dra. Adelaide Nardocci – Faculdade de Saúde Pública da USP), além de contarmos com o relato sobre o monitoramento comunitário da Atenção Primária à Saúde do Hospital Santa Marcelina (Jefferson Rodrigues e Paulo Valverde – Santa Marcelina). 

Veja fotos do Painel:

 

/\ Voltar para o início da página

 

  • Moção para a melhoria da qualidade do ar das cidades brasileiras

A Moção pela melhor divulgação dos dados sobre a qualidade do ar, pela adoção aos valores de referência da Organização Mundial de Saúde e por medidas efetivas para a redução das emissões de poluentes e de gases de efeito estufa em prol da saúde pública foi amplamente discutida com as instituições parceiras ao longo dos 7 meses da Campanha São Paulo Sem Máscara. Nossos parceiros tiveram especial contribuição nessa etapa de elaboração do texto da Moção e nas discussões de conceitos técnicos que envolvem a problemática da poluição do ar, do monitoramento da qualidade do ar e da mudança do clima e emissões de gases de efeito estufa que impactam diretamente a qualidade de vida das pessoas.

A Moção foi votada no dia 10/10/2017, durante o painel “Poluição do ar e mudança do clima: ameaças e oportunidades para a saúde pública” realizado no 10º Seminário Hospitais Saudáveis e 3ª Conferência Latino Americana da Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis, quando cerca de 400 profissionais do setor saúde presentes no Auditório do Centro de Convenções Rebouças (SP) apoiaram que seu conteúdo deve ser endereçado às autoridades responsáveis pela gestão de meio ambiente e saúde do município e estado de São Paulo e do governo federal.

 

/\ Voltar para o início da página

NOSSOS PROJETOS

Seminário Hospitais Saudáveis - SHS é o principal evento promovido pelo Projeto Hospitais Saudáveis. Saiba Mais

Saúde Sem Mercúrio - O mercúrio é tema de campanha mundial. Saiba Mais

Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis - Saiba mais

Desafio 2020 a Saúde pelo Clima - Saiba mais

Endosso COP 23 a Saúde pelo Clima - Saiba mais

Desafio Resíduos de Serviço de Saúde - Saiba mais

PARCERIAS

O Projeto Hospitais Saudáveis é ponto focal no Brasil da organização internacional Saúde Sem Dano. Saiba mais

PARTICIPE DO PHS

Receba nossos boletins, notícias e divulgação de eventos.Torne-se membro do PHS ou cadastre-se para receber notícias e divulgação de eventos